Elo7 cria alternativa online para feiras e bazares de artesanato

0
61

Devido à pandemia e restrições necessárias para contê-la, as feiras de artesanato ainda estão proibidas em algumas cidades e, para driblar a situação, alguns micro e pequenos empreendedores encontraram nas plataformas online a alternativa para continuar vendendo. Para ampliar a visibilidade desses lojistas e conectá-los aos seus compradores o Elo7 , maior marketplace de produtos criativos do Brasil, está com uma iniciativa para apoiar a entrada desses grupos no ambiente digital .

É possível criar gratuitamente no Elo7 páginas virtuais para as tradicionais feiras locais. Nelas, as barraquinhas dão vez a pequenas lojas dentro do evento online, e para ter uma coleção é só estar cadastrado e ativo no marketplace, o que também é gratuito.

A monetização só acontece quando há venda de algum produto. É cobrada uma comissão que varia entre 12% e 18% – seguindo o mesmo modelo acordado com os lojistas do Elo7. Uma feira de Santo Antônio do Pinhal, a Feirart , já possui página no marketplace e os artesãos do programa Mãos e Mentes Paulistanas, de São Paulo, estão se capacitando para criarem suas lojas e uma feira online no Elo7.

Algumas prefeituras e instituições, como o SEBRAE, já atuavam junto aos artesãos, tanto na capacitação quanto na organização de feiras, e agora o Elo7 se une para ajudar na digitalização deste trabalho. Além das vitrines online, o marketplace realizará ações de marketing divulgando as feiras e os bazares para os mais de 6 milhões de compradores de todo o Brasil, disponibilizando, ainda, cursos online para auxiliar os criativos nesse universo digital. Não há limites de participantes, nem de produtos a serem adicionados por cada lojista. Feiras e bazares locais de qualquer região podem entrar na plataforma. Basta inscrever o evento no site eventos.elo7.com.br/elo7feiras/

Para Carlos Curioni, CEO do Elo7, essa digitalização das feiras pode trazer bons resultados não só a curto prazo, mas também no futuro: “Quando as feiras voltarem ao normal, quem trabalha com produtos criativos voltará a ter a fonte de renda que tinha antes. No entanto, terá aberto um novo canal de vendas que ajudará a ampliar a visibilidade dos produtos, além de disseminar a cultura popular regional e a criatividade brasileira”, diz Curioni. O executivo aponta, ainda, que com esse novo canal será possível estreitar o relacionamento com o cliente e fidelizá-lo, já que a internet traz a facilidade de repetir as compras sem precisar sair de casa, e de recomendar o mesmo conforto e experiência positiva a amigos e familiares.

Desde sua fundação, em 2008, o Elo7 tem como missão unir quem faz produtos criativos a possíveis compradores. Em um momento como este que estamos vivendo, continuar fomentando a economia criativa e dando oportunidade para os artesãos sem colocar em risco a saúde e segurança de todos é mais que fundamental.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui